Senna e sua paixão por motos !!!


Senna dá um talento em sua Ducati 851 Desmo, um presente da casa de Borgo Panigale

    O ano era 1977. O local, kartódromo de Interlagos, zona Sul de São Paulo. Entre uma bateria e outra de kart, dois moleques subiam no muro para ver os treinos e as corridas de moto na pista do Autódromo José Carlos Pace. Um deles, Ayrton Senna da Silva, dispensa apresentações. O outro, Geraldo “Tite” Simões, hoje jornalista e instrutor de pilotagem. Relembrando aquele momento, Tite puxou da memória uma frase do jovem Senna sobre pilotar uma motocicleta: “Tenho muita vontade de acelerar uma moto, porém tenho muito medo”.

     Com o tempo o medo se transformou em prazer, já que o piloto  sempre dava suas voltinhas de Ducati na madrugada paulistana. Depois, a pedido da família, a moto só rodava na pista da fazenda, que fica em Tatuí, no interior de São Paulo. Na Europa, Ayrton circulava de scooter pelo Principado de Mônaco para não chegar atrasado em seus compromissos, principalmente nos dias que antecediam o Grande Prêmio.

Cena do documentário “Senna” mostra o piloto acelerando uma Monster nas ruas de Mônaco com a então namorada, Adriane Galisteu, na garupa

     “Mônaco era o local onde o Ayrton era mais visto em duas rodas. No travado circuito de rua, eram várias as curvas que seu carro saia do chão com uma e até duas rodas… Falando sério: para ir do seu apartamento até os boxes e cumprir a apertada agenda de um fim de semana de corridas, Senna usava sempre um scooter vermelhinho. Quem ia na garupa usava, como o Ayrton, um capacete pintado na mesma cor da motinho. Transporte bem discreto e usado nas suas folgas no elegante principado,” conta o jornalista Wagner Gonzalez, ex-assessor de imprensa da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), que por vários anos trabalhou com Senna na F1.

Ducati Réplica 888
     No auge da carreira, Ayrton Senna foi sondado inúmeras vezes pela Scuderia Ferrari. Neste longo namoro que, infelizmente não deu em casamento, ficou um presente: uma Ducati 851 Desmo que, segundo fontes ligadas ao piloto, foi oferecida pela Casa de Maranello com o objetivo de “apimentar” a relação entre o piloto e as máquinas italianas.
De 1991 a 1994, ano em que Ayrton se transformou em mito, só um mecânico trabalhou na rara joia italiana. Antonio Carlos Ferreira Finardi, mais conhecido no meio motociclístico por Spiga. Ele montou o modelo – já que a moto veio em uma grande caixa da Itália – e fez alterações que a deixaram com um melhor desempenho. “Otimizamos o rendimento do motor, sem fazer qualquer alteração interna. O segredo foi a substituição da injeção eletrônica e um ajuste fino. Só nisso ganhamos 26 cavalos de potência”.
  
     Na verdade, a moto foi transformada em uma réplica do modelo 888 usado no Campeonato Mundial de Superbike de 1990, da qual a equipe Ducati sagrou-se campeã com o piloto Raymond Roche. As principais características estéticas desta macchine vestida de vermelho eram o quadro e as rodas pintados de branco, transmitindo um ar mais esportivo e requintado ao modelo italiano.

     “O Ayrton era muito técnico, tinha a telemetria na cabeça. Um dia ele chegou para mim e disse: ‘Spiga, a moto perde progressividade entre 6200 e 6300 rpm’. Ele era um gênio. Um apaixonado por motocicletas”, conta o mecânico que já trabalhou no Mundial de Superbike e que hoje tem um oficina especializada em motos importadas em Campinas (SP) – http://www.spiga.com.br .

     Segundo Spiga, Senna pilotava muito bem a Ducati 888 Réplica na pista de seu kartódromo em Tatuí. “O pneu só desgastava na parte externa, no limite entre a banda de rodagem e lateral. Isso prova que Senna adorava contornar curvas em alta velocidade”, afirma Spiga, dizendo que Ayrton Senna “tinha o dom de pilotar qualquer tipo de veículo motorizado, seja ele um carrinho de controle remoto, jet sky, lancha, helicóptero ou até mesmo uma moto superesportiva”, concluí, saudoso, o mecânico Spiga.

Ducati 916 Senna, lançada no final de 1994, ano de sua morte, teve palpites do piloto no seu desenvolvimento

Bellas macchini
     Para perpetuar esta extrema e intensa relação com o esportes à motor, duas marcas italianas – Ducati e MV Agusta – homenagearam o piloto com edições especiais e limitadas de suas superesportivas. A primeira foi a Casa de Borgo Panigale. No final de 1994, a Ducati apresentou a 916 Senna, em memória do piloto, mas que havia sido desenvolvida com a aprovação do próprio Ayrton e, é claro, recebeu na fase de projeto alguns “pitacos” do tricampeão mundial de Fórmula 1. Foram fabricadas apenas 300 motos.
     A 916 Senna foi equipada com um motor de dois cilindros em “L”, com comando Desmodrômico, 916 cm³ de capacidade e alimentado por injeção eletrônica de combustível. O propulsor gerava 109 cv de potência máxima.

MV Agusta F4 750 Senna foi criada para arrecadar fundos para o Instituto Ayrton Senna

     Em 2002, a MV Agusta apresentou a F4 750 Senna, uma obra de arte sobre duas rodas construída com o propósito de arrecadar fundos para o Instituto Ayrton Senna. O modelo trazia o que havia de mais moderno em termos de tecnologia embarcada, além da agressividade de um motor de quatro cilindros em linha que produzia 136 cv de potência máxima.

     Em 2006 chegava a F4 1000 Senna, também com motor quatro em linha, mas 174 cv. A moto tinha um novo sistema de injeção eletrônica, freios monobloco Brembo, com pinça de fixação radial, e vários itens construídos em fibra de carbono. A F 4 1000 Senna trazia na suspensão traseira o revolucionário amortecedor Sachs Racing, que pertencia a mesma família dos utilizados nos bólidos de Formula 1. Esta foi a forma da marca italiana homenagear uma lenda.

     “Ayrton era uma estrela em um campeonato próprio, como homem e como piloto, um campeão; um amante da velocidade, mas também um grande ser humano que prestou atenção em cada detalhe e que buscava constantemente a perfeição. Ficamos ligados por uma amizade valiosa e sentimentos mútuos de respeito e admiração.

     Quando nos encontramos, nós não apenas falamos sobre os motores, apesar de Ayrton ser muito atraído por veículos de duas rodas, mas também de como ajudar crianças menos favorecidas”, afirmou Claudio Castiglioni – que faleceu em agosto do ano passado -, dono da MV Agusta, no texto de apresentação da moto que trazia um grande “S” e o sobrenome “Senna” estampado na carenagem lateral. (Por Aldo Tizzani)

Fonte: http://infomoto.blogosfera.uol.com.br/

 

Cartaz divulga a F4 1000 Senna. Claudio Castiglioni, falecido dono da MV, era amigo pessoal do piloto brasileiro

 

Equipe: MotosBR

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em ARTIGOS

2 Respostas para “Senna e sua paixão por motos !!!

  1. kleberz

    Show de pessoa e profissional

  2. carlos

    salve senna , por que , todos os bons o brasil perde :????

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s