Comprar Chão !!! Uma realidade que dói


Antes de mais nada, sei que muita gente não gosta de falar sobre acidentes. Para alguns, esse papo pode soar como desmancha-prazer. Para outros, é como falar de corda em casa de enforcado. Mas, vamos e venhamos: o que é pior? Aceitar uma conversa nua e crua ou tornar-se uma vítima da desinformação?

Então, comecemos por colocar os pés no chão — apenas os pés. Muita gente se torna vítima de acidentes porque, antes, caiu numa cilada. Sem perceber, algumas pessoas passam a confiar naquele sofisma segundo o qual "se até ontem não me aconteceu nada, não será hoje que vai acontecer…"

Mais curioso é o caso dos que unem a inexperiência àquelas fantasias inspiradas em filmes de super-heróis. Acham que os acidentes mais sérios ou resultam em morte instantânea ou em algum tipo de lesão que logo se resolve, com um gesso charmoso e divertidas sessões de fisioterapia.

 

chao-1

Por incrível que pareça, poucas pessoas têm consciência das outras hipóteses, principalmente das lesões que deixam a vítima incapaz para uma vida normal. Quem duvidar disso, faça uma visita à Rede Sarah de Hospitais do Aparelho Locomotor, que é referência internacional nessa área médica.

Há algum tempo eu conversei longamente com Eduardo Biavati, pesquisador do Centro de Pesquisas em Educação e Prevenção do Sarah. Ele me disse que o desconhecimento sobre as reais conseqüências de um acidente fica claro sempre que os funcionários conversam com os alunos nas palestras que fazem em escolas e também quando levam os jovens para conhecer os centros de reabilitação do hospital. Os visitantes ficam chocados ao descobrirem como são as seqüelas. 

O QUE MOSTRAM AS PESQUISAS
Na ocasião, o Eduardo mostrou-me uma pesquisa realizada em 1999 sobre morbidade das causas externas de internações. É uma das poucas no mundo que se aprofundam nos acidentes com moto, pois a maioria se limita à questão do uso do capacete. Vale lembrar que não são abrangidos os casos fatais, porque a Rede Sarah não atua com foco no atendimento de emergência, mas sim no trabalho de reabilitação. Eis o que mostra a pesquisa sobre os motociclistas internados nesses hospitais:

Capacete – entre as vítimas com lesão cerebral, quase metade (46%) usava capacete no momento do acidente. Traduzindo: com ou sem capacete, a partir de certos níveis de impacto é praticamente impossível evitar lesões cerebrais. Uma verdade tão clara entre especialistas quanto subestimada entre leigos. Mas desde já, vai aqui um esclarecimento: ninguém está concluindo ou insinuando que esse equipamento é inútil ou dispensável. Nada disso. O capacete protege, minimiza conseqüências de acidentes e deve ser usado sempre. O que o estudo sugere é que, nos impactos muito fortes, nem o capacete garante que o piloto está livre de lesões cerebrais, ainda que em menores proporções. Mas lesão cerebral, por menor que seja, sempre é coisa séria.

 

Germany IDM Schumacher

Lazer – a maior parte (59%) das internações de acidentados com moto na rede Sarah é de pessoas que utilizavam a moto no lazer quando ocorreu o acidente. Apenas 28% dos casos dizem respeito a pessoas que estavam trabalhando. Esses números mostram que, apesar da grande expansão dos serviços de motofrete, em que milhares de pilotos se expõem diariamente à correria pelas mais perigosas ruas e avenidas, o maior número de vítimas com seqüelas está em outro grupo: os motociclistas que saem apenas para passear e se divertir.

Áreas urbanas – ao contrário do que se observa nas internações relacionadas a acidentes de automóveis, no caso de motos a maioria dos acidentes ocorre em áreas urbanas (57%). Aí está mais um ensinamento: quem usa equipamento completo somente para pegar a estrada talvez não saiba dos riscos que corre na cidade.

Lesões típicas – além daquelas já citadas, existe um padrão de lesão que, estatisticamente, também está associado a acidentes de moto. Trata-se da chamada lesão do plexo braquial. Trocando em miúdos, são aquelas que afetam a região do pescoço e ombros. A conseqüência é que muitas delas reduzem ou simplesmente eliminam os movimentos dos braços. Entendeu agora porque existem aqueles macacões com grossa proteção na região dos ombros e até nas costas?

chao-3

VOCÊ É O VEÍCULO
Conheço um médico que nunca trabalhou na Rede Sarah, mas tem no currículo as experiências de médico-cirurgião, motociclista apaixonado e ex-vítima de acidente de moto. O nome dele é Max Carlos Braga Antão. Segundo o Max, a melhor maneira de compreender o que ocorre em um acidente com colisão é imaginar-se caindo do 2o ou 3o andar de um prédio. "Aí então, considere que as lesões resultantes de um acidente de moto podem ser bem piores do que a queda dessa altura." Sua explicação sobre os equipamentos de segurança também bate na mesma tecla. O equipamento é indispensável, pode minimizar muito as conseqüências do acidente, mas não faz milagre! Mesmo que você esteja com capacete, botas e macacão, imagine o que pode acontecer se cair do 3º ou 4º andar…

Max observa que, ao contrário do motorista, que está protegido dentro de uma caixa de metal, o motociclista é, na verdade, o próprio veículo. "Temos apenas um motor no meio das pernas, que nos leva aonde queremos. Por isso, qualquer parte de nosso corpo está sujeita a lesões de todo tipo, seja uma pequena abrasão ou fratura, até algo mais sério, como hemorragia interna, desfiguração da face ou as deficiências neurológicas e suas temidas seqüelas incapacitantes."

Depois de ouvir o Max, conversei com um médico ortopedista do Corpo de Bombeiros, o capitão Aloisio Gonçalves de Souza Jr. Com a experiência de quem acompanha atendimentos de emergência a vítimas do trânsito, ele usou conceitos de física para explicar que corpos em sentidos opostos somam suas velocidades. Numa colisão, a força cinética do impacto é proporcional ao quadrado da velocidade. Para simplificar, o ortopedista também utiliza a comparação com a queda de um edifício. E cita o exemplo de um motorista dentro do carro. Numa colisão a apenas 48 km/h, o motorista sem cinto de segurança se chocará com o parabrisa com a mesma energia decorrente de uma queda do 3º andar. Se estiver um pouco mais veloz, a 56 km/h, a pressão será superior a sete toneladas…

Por todas essas razões, prevenir é fundamental. A conclusão do Dr. Max é taxativa: "pense duas, três, quatro vezes antes de dizer que o sol está muito quente para você usar o equip
amento! Capacete, jaqueta, botas e luvas não foram feitos para se usar só no frio. Para quem quer vento na pele e sol na cabeça, recomendo trocar a moto por um carro conversível!" Mandou bem, Max…

 

chao-4 

REALIDADE QUE DÓI
Não é para chocar ninguém, mas trata-se de uma realidade que dói mesmo: entre os tipos de lesões que levam motociclistas à Rede Sarah, a maior causa é o comprometimento da medula. Obviamente, estão fora desses registros as lesões cerebrais com morte, já que casos dessa natureza não chegam ao Sarah. Na grande maioria (74%) trata-se de lesões completas, ou seja, com perda do movimento e da sensibilidade. Já nas lesões ortopédicas, que constituem a segunda maior causa de internação, 80% delas afetam os membros inferiores, nas seguintes proporções: perna (50%), fêmur (30,6%), joelho (13,9%), tornozelos e extremidades (5,6%). Depois de ler tudo isso, você ainda tem dúvida sobre a necessidade de usar botas e outras proteções para essas regiões do corpo?

COMO FICA O NOSSO PRAZER DE PILOTAR?
Agora, você deve estar-se perguntando: "diante desse quadro, como fica o nosso prazer de pilotar?"
Bem, quer saber mesmo? O prazer de pilotar pode tornar-se ainda maior, desde que se aprenda a lição a tempo. Isso é o que conta numa conversa sobre segurança. 
O que vale, aqui, é ajudar o motociclista a aprofundar o nível de consciência sobre os riscos à sua volta e os meios de se proteger. Vale até estimular sua capacidade de concentração e autocontrole naqueles momentos de excitação com o coice da cavalaria a um leve toque no acelerador. O que não vale é distanciar o motociclista do sagrado prazer de pilotar. Nem há motivos para tal. Afinal, a emoção de pilotar pode ser tanto maior e mais legítima quanto mais clara a consciência dos seus riscos e limites. Vrrummm…

 

chao-5

Texto: José Ricardo Zanni / fonte: http://www.sobresites.com

Equipe:MotosBR

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em ARTIGOS

3 Respostas para “Comprar Chão !!! Uma realidade que dói

  1. Rodrigo moreria

    do o maior ponto para esse site , parabens mesmo!!!!!!!!!!! Isso é muito importante
    Eu mesmo sou muito a favor do uso integral dos equipamentos de segurança em motos e pilotos
    o problema é isso ai mesmo quando o motoqueiro se da conta da utilidade dos equipamentos de segurança as vezes é muito tarde. Vale mais a pena gastar mais de 1.500R$ em equipamentos de segurança do que perder uma perna em uma batida de lado com um carro? eu acho que esse é um preço muito baixo pelas minhas maravilhosas pernas !
    eu mesmo ainda naum tenho moto mais o equipamento ja esta todo comprado ta certo que ainda não é o que eu quero mais para uma Lander x ja da pra quebrar um galho
    (Capacete LS2 lagarto
    jaqueta zebra drift
    calça zebra twister
    luva ASW imagem
    bota diadora eagle fx)
    mais acho que uma parte disso tbm se deve a o custo desse equipamento, claro que nem todo mundo tem isso na cabeça mais eu prefiro pagar 430R$ em um ls2 do que dar 80 R$ em um tauros popular que todo moto boy usa pq acha que um ls2 alem de ser muito caro é grande de mais o que me atrai é segurança e naum beleza
    o ls2 ne de longe é o meu favorito eu um dia quero chegar a ter um macacão pode até ser um da marca 4 four um capacete arai e botas sidi ai sim sei que estarei naum livre de qualquer fratura mais pelo menos bem mais protegito é claro que naum estarei com “mark 3” (Armadura do homem de ferro)
    é claro que naum é só isso, uma boa noção de pilotagem é indispensavel para uma maior segurança em cima de uma moto
    nossa isso de novo esta virando quase uma reportagem paralela foi mal ai galera kkkkkkkk
    abraço a galera do motosBR

  2. Ramon

    Excelente seu blog, quero te parabenizar.

    Envolvi-me em três acidentes, dois deles bem graves e dos três, apenas um eu tive alguma culpa (acima da velocidade), nos outros dois fui “atropelado” por motoristas descompromissados.

    Da última, um ignorante avançou a placa de parada obrigatória e de dê a preferência na rotatória e me arrebentou. Pegou de lado em minha perna direita, graças a Deus não tive nada sério, mas minha moto deu PT. O cara não tinha habilitação e nem docs do carro.

    Meu seguro pagou a moto, mas não o prejuízo e o trauma que tomei. O acidente foi em maio, quero pegar outra moto, mas me assusto até mesmo no trânsito andando de carro, terrível.

    Parabéns novamente pelo seu blog, estou querendo comprar uma Mirage assim que tiver coragem novamente.

    Forte abraço.

    • ARQMOTO

      Valew de Ramon … agradeçemos seus elogios e sempre ressaltamos que a satisfação dos nossos motonautas são o nosso combustível.. grande abraço….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s