Teste – Kasinski Soft 50 !!!


 

 

     Há pouco mais de dois meses, a Kasinski lançou o Soft 50 em Fortaleza (CE). Classificado como ciclomotor, por ter motor com no máximo 49 cm³ de capacidade e não ultrapassar os 50 km/h, o modelo com cara de CUB chegou ao mercado como uma opção para quem quer fugir do transporte público. Com preço sugerido de R$ 3.490, traz ainda bauleto de série e um capacete grátis.

     Mas será que a vale a pena comprar um ciclomotor? Foi com essa dúvida que pegamos o pequeno Soft para realizar um teste. Devido a suas limitações, nenhum traçado específico foi escolhido, apenas realizamos nossa rotina a bordo do Soft 50 para confirmar se o pequeno ciclomotor nos ajudaria a economizar tempo e dinheiro.

     Não foi à toa, que o lançamento do Soft 50 foi no Nordeste. Lá e na região Norte, os ciclomotores são uma alternativa interessante para se locomover nas cidades pequenas que, muitas vezes, não contam com transporte público. Mas em São Paulo as regras são um pouco diferentes. Qualquer via de grande porte da metrópole tem velocidade máxima superior à velocidade que o Soft 50 atinge – na via expressa da Marginal do Rio Pinheiros, por exemplo, o limite é 90 km/h. Com isso, chega a ser perigoso circular com o Soft 50 em Sampa.

 

kasinski-soft-50

 

Motor
     Ônibus, caminhões e até scooters ultrapassam o cinquentinha como se fossem veículos velozes. Também seu desempenho é pífio: o motor monocilíndrico produz apenas 4 cv de potência máxima a 8.000 rpm e torque máximo é de míseros 0,35 kgf.m a 7.500 rpm. Tudo dentro de sua proposta – afinal, se os números fossem melhores o Soft 50 não seria um ciclomotor. Por isso, o jeito é permanecer na faixa direita da pista e ficar atento ao retrovisor.

     Por outro lado o consumo é impressionante e o usuário do Soft 50 com certeza gastará menos com gasolina do que com bilhetes de metrô. Ele chegou a fazer 48 km/l, o que concede uma autonomia de 168 quilômetros com seu tanque de 3,5 litros. Econômico, mesmo ainda sendo aloimentado por carburador.

     Aliás, no frio outono paulistano isso se torna um problema. Perdi 15 minutos todas as manhãs antes de sair de casa, esperando que o motor do Soft 50 atingisse uma temperatura ideal de funcionamento. Todavia, o câmbio semiautomático, sem embreagem, facilita a vida do piloto em movimento.

     Mas a grande questão é se o Soft 50 me ajudaria a ganhar tempo e economizar dinheiro? Sim. Gastei R$ 7,00 para completar o tanque e rodei por quatro dias – se fizesse o mesmo percurso de metrô, gastaria R$ 11,60 por dia. Com paciência e respeitando os limites do próprio Soft 50, pude realizar todas as minhas atividades em diferentes pontos da capital. Mesmo que tenha sido obrigado a “pedalar” em algumas subidas mais íngremes, já que o ciclomotor não tinha força suficiente para “carregar” meus 90 kg morro acima.

 

traseira-ciclomotor-kasinski-soft-50

 

Design e ergonomia
     Muito parecido com uma CUB Win 110, o design do Soft 50 agrada. Com bauleto de fábrica, este ciclomotor tem um visual moderno e condizente com a sua proposta. A posição de pilotagem é confortável e não cansa o piloto, principalmente por ter um guidão estreito, que lhe credencia a entrar em qualquer corredor.

     Freios e suspensões também atendem às necessidades do Soft. Como a velocidade é muito baixa, no máximo 45 km/h, buracos são facilmente evitados e uma freada brusca é improvável, então os tambores em ambas as rodas e o conjunto de suspensões — garfo telescópico convencional, na dianteira, e bichoque, na traseira — estão de acordo com sua proposta urbana.

     Já o perfil do pneu dianteiro poderia ser revisto pela montadora. Lembra os utilizados nas motos de 125cc da década de 70. Em pisos irregulares, o pneu compromete a dirigibilidade e a estabilidade do Soft 50.

     O painel de instrumentos está equipado com marcador de combustível e indicador de marchas. O Kasinski Soft 50 ainda tem partida elétrica e a pedal e está disponível nas cores vermelha e preta. O ciclomotor da Kasinski começou a ser comercializado em fevereiro e tem preço público sugerido de R$ 3.490.

 

soft50_4_thumb

 

Conclusão
     Respondendo à questão inicial, se vale a pena adquirir um Soft 50. A resposta é: depende. Conversei com muitas pessoas em pontos de ônibus e metrôs de São Paulo e a opinião é unânime: entre depender de um transporte público diariamente e ter um veículo que, mesmo com lentidão, lhe permita realizar a rotina com mais autonomia, todos optaram pela liberdade. Além da economia de tempo e dinheiro, o motociclista também tem que avaliar o percurso em que usará o Soft 50.

      Para quem vive em uma cidade pequena e plana, o Soft 50 é uma alternativa interessante. Mesmo para o paulistano mais “pilhado” um ciclomotor pode adiantar o dia a dia, basta que os caminhos sejam pensados e rotas alternativas passem a fazer parte do seu itinerário.

     Agora, se for trafegar por grandes avenidas com diversos veículos grandes e apressados, economize um pouco e opte por uma opção mais segura para sua locomoção diária. Pois neste caso, tamanho é documento!

 (Arthur Caldeira/Agência INFOMOTO)

wpid-kasinski-soft-50

Equipe: MotosBR

About these ads

6 Comentários

Arquivado em KASINSKI

6 Respostas para “Teste – Kasinski Soft 50 !!!

  1. yuri calmon

    Este mesmo veículo seria melhor se fosse elétrico, não precisaria perder 15 minutos aquecendo o motor, nas grandes cidades não produziria fumaça nem barulho e teria desempenho ighal ou melhor sem falar que na zona rural do Norte/Nordeste é mais fácil achar uma tomada que um posto de gazolina! mas pessoialmente acho que Bicicletas elétricas leves com a possibilidade de pedalar seria uma opção mais racional e barata. Com certeza dá pra vender uma de boa qualidade por cerca de R$1500,00.

  2. edson

    tenho uma traxx de 50cc e nao preciso aquecer o motor pela manha ,e aliaz so clico uma os vez na partida q ja pega e nem pedalo em subida nunhuma kkkkkkkk ja vi q essa soft 50 nao ta com nada

    • vh

      a moda e super50cc da dafra ela roda 75km\h em decida na ret e 70 a soft e muito ruim principalmente o barulho do motor o cambio de marcha eo freio e muito alto

  3. haha
    Descosindero muita coisa sobre os demais comentarios afinal sou proprietario de uma soft um coisa eu lhes digo na mão correta e com a manutenção correta ela deixa muitas motos de 100cc para tras.
    Aprendao limites so existe para que quer!
    Se cuidem e fiquem com Deus!

  4. yury

    tenho uma soft 50 e achei muito comfortavel adorei o cambio parabens kasinski

  5. cristiano

    Eu tenho uma teen, moto da mesma fabricante da kasinki, só muda o faról dianteiro. Eu saio de manhã com ela, careegando a minha irmã e duas mochilas sem esquentar o motor 1 segundo. Subo ladeiras e tudo mais com velocidade. Se você manter ela em bom estado, ela é a melhor moto da categoria de 50cc.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s